BELO MONTE/TUCURUÍ: HOJE COMO ONTEM

(Lucio Flavio Pinto)

Em 1975 a hidrelétrica de Tucuruí começou a ser construída no rio Tocantins,  no Pará, 350 quilômetros a sudoeste de Belém. Viria a ser a terceira maior usina do mundo.

 A Construtora Camargo Corrêa foi escolhida para instalar o primeiro canteiro de obras.

Uma vez instalada no local, ganhou a concorrênciaprincipal. E lá permanece até hoje, sempre faturando, passados 36 anos.

 O orçamento inicial de Tucuruí era de US$ 2,1 bilhões. Quando chegou em US$ 7,5 bilhões, dez anos depois, a rubrica específica desapareceu. Foi remetida das contas da Eletronorte, subsidiária da região norte, para a contabilidade da sua enorme controladora, a Eletrobrás.

 O preço final pode ter chegado a uns US$ 15 bilhões, sete vezes mais do que a previsão na largada da obra. Mas pode ter ido além, ninguém mais sabe ao certo.

 O que a Camargo Corrêa ganhou entre 1975 e 1984, quando a usina começou a funcionar, permitiu ao seu proprietário, Sebastião Camargo, se tornar o primeiro bilionário brasileiro na listagem dos mais ricos do mundo.

Sua fortuna pessoal dobrou no período: de US$ 500 milhões para US$ 1 bilhão.

 Correspondeu ao lucro líquido acumulado nesse decênio, à boa média de US$ 50 milhões a mais por ano. Sem atualização monetária.

 Ninguém protestou quando o canteiro secundário virou principal. Nem quando o contrato original foi seguidamente aditado.

 Ou quando dele derivaram outros contratos, na usina ou em uma de suas principais dependências, o sistema de transposição da enorme barragem de concreto, com mais de 70 metros de altura (correspondente a um prédio de 17 andares), que custou R$ 1,6 bilhão, o maior do país.

 Nem quando o Tocantins, o 25º maior rio do mundo, com 2.200 quilômetros de extensão, cuja bacia drena 10% do território nacional, começou a ser aterrado para que do seu leito fosse erguida a represa, a obra pública que mais concreto absorveu no Brasil até então.

 Com o fechamento do rio, a água subiu e inundou uma área de três mil quilômetros quadrados, afogando milhões de metros cúbicos da floresta que havia em seu interior.

 A legislação ambiental brasileira só começaria a nascer seis anos depois. Mas a Eletronorte sabia que Tucuruí causaria profundos danos à natureza, acima e abaixo da represa, por pelo menos 200 quilômetros a montante.

Tratou de fazer um levantamento ecológico das consequências da hidrelétrica.

 A tarefa foi realizada por uma única pessoa, em 1977, o americano Robert

Goodland. Ele era o autor, com seu compatriota Howard Irvin, de um estudo

extremamente crítico sobre a ocupação da Amazônia durante o regime militar.

 O título do livro, embora equivocado, dizia tudo sobre o seu conteúdo: “Amazônia: do inferno verde ao deserto vermelho”.

 Da tradução para o português foi expurgado todo um capítulo, sobre a matança de índios pelos projetos de “desenvolvimento”, embora a editora da publicação tivesse o selo da honorável Universidade de São Paulo, a USP.

O levantamento que Goodland fez sobre o impacto ambiental da hidrelétrica de Tucuruí podia ser considerado apenas como um exaustivo roteiro para uma pesquisa muito mais ampla, complexa e detalhada – que nunca foi executada.

 Problemas que eram visíveis mesmo a olho nu só foram considerados pelos “barrageiros” quando se materializaram. Efeitos danosos que podiam ser evitados ou prevenidos foram deixados à própria sorte.

 De Tucuruí, no Tocantins, para Belo Monte, no Xingu, caminhando para oeste do Brasil, como sempre, na sina (e sanha) dos sempre bandeirantes, muita coisa mudou – mas, talvez, não o substancial.

 Ontem, um grupo de manifestantes levou a Brasília um abaixo-assinado de 500 mil nomes contra a construção da usina, que  ocupará justamente o lugar até agora de Tucuruí no ranking das maiores hidrelétricas do mundo.

 A caudalosa adesão de subscritores do manifesto dificilmente sensibilizará aqueles que, 20 anos depois de começarem a tratar da hidrelétrica, não têm mais dúvida alguma de que ela precisa ser construída. De qualquer maneira.

 A correlação de forças não é a mesma de 1975. Por trás do selo de autorização não há uma ditadura, como então. Mas o Estado (no caso, personificado na União Federal) pode muito. Talvez ainda mais do que a sociedade.

 A norma processual do licenciamento ambiental foi violada para dar passagem a uma figura que o código ecológico desconhece: a “licença de instalação parcial”.

 O que ela é senão a versão atualizada ao mundo jurídico da figura concreta do canteiro secundário de Tucuruí em 1975? A obra pode não começar (ou jamais vir a ser legalizada), mas seu canteiro já estará pronto.

 Os R$ 19,5 bilhões de financiamento de longo prazo do BNDES (num orçamento global de R$ 24,7 bilhões, ainda inconsolidado) podem não sair, mas até o final do próximo mês um bilhão de reais do “empréstimo ponte” já terá sido aplicado para executar a licença parcial.

 E o fato estará consumado, assim como consumatum sunt Santo Antônio e Jirau, bem mais a oeste (já quase no fim da rota dos bandeirantes em torrão pátrio), no Estado de Rondônia e no rio Madeira, o mais caudaloso afluente do oceânico rio Amazonas.

 As três mega-hidrelétricas previstas para a Amazônia (sem contar outras cinco  ainda em conjecturas para o vale do Tapajós/Teles Pires) representam capacidade instalada de 17,4 mil megawatts (20% a mais do que Itaipu), ainda que apenas metade desse potencial constitua energia firme (disponível ao longo do ano), ao custo de R$ 43 bilhões.

 Esses números soam como poesia, para quem dispõe do poder decisório, por vários ângulos e perspectivas, enquanto as críticas e reações a esses projetos lhes chegam aos ouvidos como cacofonia irrealista, absurda.

 O Brasil não é o mesmo de 1975. Mas para esses cidadãos é como se fosse. Ao menos quando se trata da Amazônia. Para eles, a história se escreve com bulldozers.

Tag em: belo monte, hidreletricas, Meio Ambiente

Pin it

Nasceu em Cacequi (RS) em 1944. Começou na Folha da Tarde, de Porto Alegre, em 1967. Trabalhou em Veja, IstoÉ, Gazeta Mercantil, O Estado de São Paulo, Folha da Manhã. Foi um dos fundadores do Coojornal, do qual foi editor.

2 Comentários

  1. José de Azevedo Coutinho Responder

    Fiz parte da construção do Brasil que estancou a partir de 85, com a chamada “democracia”!
    A partir dessa época, as infra-estruturas “congelaram” totalmente. Nada de estradas e de obras públicas em geral. Somente de há 5 anos para cá se vê, timidamente dar alguns passos nessa direcção. O País passou a ser a delícia das commodities e o sucateamento da indústria Brasileira um fato!
    O capital “sem cara” tomou conta de todo o País e, nunca banqueiros e especuladores nunca ganharam tanto dinheiro á custa do Brasileiro, em toda a História do País.
    Num momento em que estrategicamente o governo “acorda” e assume responsabilidades Nacionais. Temos uma turma, que de braço dado com o capitalismo selvagem, garante a essa mafia as maiores atrocidades, escondidos atrás da “democracia” ou melhor da “demagogia”, que em parceria com a media, quase sempre volúvel e irresponsável , seguindo a correnteza da “moda” e da “última verdade!” tentam defender um sistema que está a ruir, em todas as frentes em termos mundiais.
    Sem duvida que o mais correcto na Natureza, é e sempre será o “equilíbrio”, ou o melhor que se possa conseguir perto dele. Para isso existe o Capitalismo Sustentado que com Respeito por todas as partes, torna possível a harmonia. Para isso é necessário um Estado forte que contenha impulsos que são contrários á Natureza e em que o homem é apenas um dos integrantes! Claro que sendo assim é possível, vislumbrar impactos ambientais, impactos sociais, impactos nacionais e impactos internacionais. Só com uma política aberta, não míope e determinada, com objectos claros e que tenha sempre presente todos estes factores, será possível manter um projecto que dura há 500 anos e que se chama Brasil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Back to top